quarta-feira, 25 de julho de 2012

Lançado o livro A Reconexão em Portugues do Brasil




Ótima noticia, enfim é lançado no Brasil o livro A Reconexão do Eric Pearl.
Tudo aquilo que alguns já tinham lido em outras línguas agora pode ser lido em nosso português.
Possivelmente o Dr Eric Pearl estará no Brasil durante o mês de agosto para fazer a apresentação publica do livro.
No site da livraria Cultura abaixo mais detalhes sobre o livro.

http://www.pensamento-cultrix.com.br/reconexaoa,product,978-85-315-1804-1,26.aspx



Sinopse do Livro
 Por que médicos proeminentes e pesquisadores científicos do mundo todo estão interessados nas curas extraordinárias relatadas pelos pacientes do Dr. Eric Pearl? O que significa quando esses pacientes relatam o súbito desaparecimento de problemas tais como câncer, paralisia cerebral e doenças relacionadas à Aids? E o que significa quando as pessoas que interagem com o Dr. Pearl relatam uma repentina capacidade de acessar essa energia de cura não apenas para si próprios, mas também para outras pessoas? Que fenômeno é esse? Prepare-se, porque talvez você tenha que rever tudo o que viu até agora sobre cura convencional. O novo espectro abrangente de frequências de cura descrito pelo Dr. Pearl transcende completamente a "cura energética" e suas muitas técnicas e leva você a se abrir para níveis de cura muito além dos acessíveis a todos. Este livro conta a jornada do Dr. Eric Pearl, desde a descoberta dos seus poderes extraordinários de cura até a merecida reputação que adquiriu servindo de instrumento para revelar esse processo ao mundo. E o mais importante: mostra como você pode ativar em si mesmo a capacidade de transmitir essas novas frequências de cura e usá-las em seu próprio benefício e das pessoas à sua volta.
 

sábado, 21 de julho de 2012

Eric Pearl da entrevista a tv brasileira


Eric Pearl fala a apresentadora Bete Pimentel da tv Mulheres que Fazem.
Nesse video ele fala sobre o seminário que vai ser realizado no Brasil de 09 a 13 de novembro de 2012.
Tira algumas dúvidas de como é o funcionamento de um seminário de Cura Reconectiva e Reconexão.
Fala também sobre o lançamento do livro A Reconexão, no Brasil, este livro já tem edição em português só que de Portugal, agora ele será editado em português do Brasil.

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Quem Mexeu no Meu Queijo? o filme

Quem Mexeu no Meu Queijo? é uma parábola simples que revela verdades profundas sobre a mudança. É a história divertida e esclarecedora de dois ratinhos e dois homenzinhos que vivem num labirinto e procuram "queijo" para se alimentarem e viverem felizes. Esses quatro personagens se comportam como seres humanos normais. "Queijo" é uma metáfora para significar aquilo que desejarmos na vida: um bom emprego, um bom relacionamento amoroso, dinheiro, propriedades, saúde ou paz de espírito. E o "Labirinto" é o local onde fazemos essa busca: a empresa na qual trabalhamos, a nossa família ou nossa comunidade.

Nesta história, os personagens enfrentam uma mudança inesperada. Um dos "homenzinhos" é bem sucedido e começa a escrever tudo o que aprendeu nas paredes do labirinto. Graças a essas anotações, começamos a aprender como lidar com a mudança, de forma a sofrer menos estresse na vida ou no trabalho.

As simples verdades encontradas nesta história têm provocado um grande impacto no ambiente empresarial. E agora são apresentadas neste filme que pode ser usado tanto para abrir uma reunião como para servir de ponto central de um programa de treinamento que ajude os treinandos a alcançar o sucesso nestes tempos de rápidas transformações. O uso da metáfora do "Queijo" nos ajuda a economizar tempo e reduzir o estresse e nos oferece um modo agradável de partir para a luta nestes tempos de mudança pessoal e profissional. "Queijo" pode ser usado junto a grandes audiências, para criar uma linguagem comum, ou junto a pequenas audiências, para abordar mudanças específicas. O tom pouco ameaçador da história reduz a resistência e estimula a confiança no processo da mudança.

"Quem Mexeu no Meu Queijo?" se baseia no livro escrito pelo Dr. Spencer Johnson, co-autor de "O Gerente Minuto".

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Qual a importancia dos eventos acontecendo no ano de 2012?



2012 - Os anjos respondem

Qual a importância do ano 2012?

O solstício de verão do hemisfério sul do ano de 2012 indica o fim de uma era e um novo começo. Marca o fim de um ciclo astrológico de 26 mil anos e o começo de um novo ciclo. É também o começo de um período de 20 anos de transição. Uma nova energia já começou a chegar na Terra, em uma preparação para a aguardada mudança - e uma enorme quantidade de luz será derramada sobre todos nós em 2012. A Senhora Gaia, o grande anjo que toma conta de nosso planeta, decretou que a Terra e todos os que nela habitam devem elevar sua consciência, então se você estiver preparado, terá uma extraordinária oportunidade de crescimento espiritual, uma chance única em muito, muito tempo. Você tem sido preparado para este momento por centenas de anos.

Porque esta mudança irá ocorrer em 2012?

A cada 26 mil anos, ou 25920 para ser mais exato, acontece um raro e extraordinário alinhamento astrológico entre a Terra, o Sol e a Via Láctea, quando o tempo pára por um momento. Isso é conhecido como um momento cósmico, um período de milagres e do desconhecido, quando acontecem coisas além da compreensão humana. Os planetas Netuno, Urano e Plutão estarão configurados para interagirem. A esperada aceleração espiritual talvez aconteça de forma lenta para a percepção humana, mas em termos cósmicos será muito rápida. Escrituras antigas em sânscrito descrevem este momento cósmico como a pausa entre a inspiração e a expiração de Brahman, ou Deus. Netuno representa a espiritualidade elevada, Urano significa mudança e Plutão é transformação - quando estas energias estiverem trabalhando juntas, causarão um enorme impacto no nosso planeta. Isso oferece o potencial para uma enorme mudança de consciência e estamos recebendo orientação para usar estas energias elevadas com sabedoria.

O que os anjos estarão fazendo no dia 21 de dezembro de 2012?

Os anjos irão congregar para ajudar a humanidade a aceitar essas novas energias que estarão disponíveis. Eles nos pedem para nos preparar. Arrume tempo para orações e para meditação, mas se isso for difícil para você, simplesmente acenda uma vela e peça para as forças divinas te guiarem. Você pode ainda preferir fazer caminhadas silenciosas na natureza, mas por favor reconheça a atual importância de um crescimento espiritual pessoal e planetário.

O que exatamente vai acontecer no dia 21 de dezembro de 2012?

A atual projeção é a de que algumas pessoas vão se mover para a quarta dimensão, outras se moverão para a quinta, enquanto algumas poucas - as que estiverem preparadas, vão ascender. Outras ainda vão escolher ficar, para que possam atuar como guias de luz e orientar todos aqueles que só vão começar a despertar nesta data. Os anjos não antecipam uma grande mudança drástica ou dramática para este dia. O momento cósmico e as energias disponíveis fornecerão uma extraordinária chance para a iluminação. É esperado que milhões de almas se beneficiarão desta oportunidade espiritual única.

O que significa se mover para a quarta dimensão?

Quando você eleva sua consciência para a frequência da quarta dimensão, o seu chakra do coração se abre. Com o coração aberto, você não consegue mais prejudicar nenhuma outra forma de vida, pois você então percebe que se fizer isso, estará prejudicando a si mesmo. Porque você agora acessa uma consciência global e cósmica, você procura pela paz. É antecipado que movimentos pela paz ganharão muita força depois desta data.

O que significa se mover para a quinta dimensão?

Isso envolve uma percepção de que somos todos parte de uma Unicidade, somos todos Um, e por consequência tratamos os outros como gostaríamos de ser tratados.

O que significa ascender?

Quando você ascende para uma frequência mais elevada ainda, você traz uma maior parte da energia de sua alma para dentro de sua vida. Durante esta transição você será capaz de trazer tanta energia divina para si que talvez não consiga mais sustentar um corpo físico, e neste caso poderá fazer a escolha por deixar o corpo físico.

Os Maias se referiam a 21 de dezembro de 2012 como o Dia da Criação. O que é o Dia da Criação, alguma coisa vai realmente acontecer?

Os sábios da cultura maia profetizaram que a energia que é recebida no Dia da Criação poderá reviver a força da kundalini em muitas pessoas. Isso irá ativar novamente os doze chakras, que funcionavam totalmente durante a Era de Ouro de Atlântida, mas que se fecharam quando a frequência daquela grande civilização caiu. Assim que estes elevados chakras forem novamente ativados nestes indivíduos, a memória genética de suas identidades divinas será ativada e eles poderão experimentar mais uma vez infinitas possibilidades. A luz que poderão acessar da Fonte irá então fluir através de seus chakras mais elevados e atingir o chakra Estrela da Terra, que encontra-se abaixo dos pés. Esses indivíduos serão capazes de se conectar diretamente com as pirâmides, através das linhas de energia do planeta. As pirâmides são na verdade computadores cósmicos que operam como sub-estações e geradores de energia, mas atualmente perderam este poder. Quando esta luz se conectar novamente com elas através da humanidade, poderá recarregá-las com a energia proveniente da Fonte. Isso causará um verdadeiro renascimento de uma consciência mais elevada na Terra. Se um número suficiente de pessoas se abrir para o amor e a iluminação, isso certamente vai acontecer. Não será repentino, mas o processo será iniciado.

O que é o Grande Calendário de Pleiades?

Este é um calendário cósmico baseado no movimento de Pleiades. Este calendário também acaba no dia 21 de dezembro de 2012. Atualmente, energias elevadas estão vindo para a Terra de outras galáxias. Estas energias estão sendo diluídas por Pleiades, que trabalha como um transformador, para que os humanos e todas as formas de vida aqui possam absorver esta força direcionada a eles. Muitas crianças estelares, aqueles cujas almas vem para o seu planeta provenientes de outras estrelas e galáxias, passam um tempo em Pleiades ajustando sua vibração e aprendendo a respeito da Terra, antes de serem gerados por uma mãe humana. Depois de 2012, essas crianças de frequência elevada poderão encarnar diretamente aqui, pois suas mães terão uma ressonância compatível.

Algumas almas vem para a Terra através de outros planetas além de Pleiades?

Sim. Existem centros de treinamento em outros planetas, estrelas e galáxias. Por exemplo, muitos guerreiros de luz estudaram sobre a iluminação nas universidades de Orion antes de virem agora para a Terra. Outros ainda estudaram tecnologia e diferentes métodos de cura em Sirius. Alguns aprenderam sobre a centralização do coração em Andromeda ou Vênus, enquanto outros foram educados em Marte, na arte de usar seu poder de guerreiro para proteger os desprivilegiados, fracos e indefesos. Muitos indivíduos foram educados nestas diferentes escolas cósmicas para atuarem em importantes papéis durante esta transição.

Se o alinhamento astrológico de 2012 já causou desastres no passado, porque desta vez será diferente?

No passado, a consciência da humanidade era tão baixa que este alinhamento apenas causou guerras e desatres naturais. Naquele tempo, isso não afetou muito o cosmos. Mas agora as coisas são diferentes. A mudança que está atualmente ocorrendo no seu planeta é microcósmica e macrocósmica, pois o universo inteiro deve elevar sua vibração. A Terra terá nesta transição um papel muito importante para definir o futuro do progresso cósmico. A Senhora Gaia já decretou que o seu planeta e todas as formas de vida nele devem elevar sua frequência da terceira para a quinta dimensão. Isso significa que esta mudança deve obrigatoriamente acontecer, e é a primeira vez que uma decisão destas é tomada em muito, muito tempo. A atual frequência baixa da Terra está freiando o progresso de todo o seu universo, por isso muita ajuda está sendo enviada de fora, muitos outros seres estão focados na humanidade. O cosmos depende de vocês!

Que ajuda está sendo focada na Terra para fazer esta preparação para 2012?

Por causa do decreto universal para a Terra iniciar sua elevação para a quinta dimensão em 2012, benéficos alinhamentos astrológicos foram organizados para ajudar a humanidade. A convergência harmônica de 1987 iniciou um processo para trazer energias mais elevadas e aumentar a consciência das pessoas em geral. A concordância harmônica de 2004 trouxe mais energia feminina, para ajudar a despertar a compaixão e a abrir os corações humanos. Um raro e auspicioso duplo trânsito de Vênus está ocorrendo. Este planeta transitou pelo sol na concordância harmônica do dia 8 de junho de 2004. Irá transitar novamente no dia 6 de junho de 2012. Esta conjunção especial oferece enormes oportunidades de crescimento espiritual. Começou a equilibrar as energias masculinas e femininas dentro dos indivíduos e na consciência coletiva. Isso ajuda no potencial para acelerar a ascensão individual e planetária. Para isso, você deve estar preparado para elevar sua vibração e realmente valorizar todas as formas de vida. Alinhamentos especiais ocorrerão em dezembro de 2012. Anjos estarão chegando a Terra em grandes grupos para ajudar a humanidade de uma forma sem precedências. Unicórnios estarão retornado ao planeta para também ajudar os humanos a redescobrirem sua real natureza divina. Está sendo redescoberta a sabedoria dos golfinhos e das baleias. Crianças de alta frequência estão nascendo e almas muito antigas estão reencarnando. Fazendo a sua parte, você não apenas ajuda a si mesmo, aos outros e ao planeta, mas sua jornada pessoal será também gloriosamente enriquecida.

O que acontecerá a todos aqueles que não estiverem prontos para mudar sua vibração para uma consciência mais elevada?

Se você não estiver preparado, você não notará o portal aberto e no fim de sua atual encarnação você continuará a jornada de sua alma em algum outro planeta da terceira dimensão, que ainda acolhe a dor e o sofrimento da separação causada por uma baixa compreensão da consciência.

Os shamãs africanos e americanos, e também o povo Maori, todos profetizavam um período de 25 anos de purificação antes de uma mudança de consciência. Isso está acontecendo?

Esta purificação está acontecendo agora.

O que significa este período de 25 anos de purificação?

Em agosto de 1987 ocorreu uma configuração astrológica conhecida como convergência harmônica. Naquela época muitos guerreiros de luz foram aos topos de montanhas e lugares sagrados para orar e meditar para que a Terra recebesse ajuda. A luz de tais orações enviada aos céus foi tão intensa que Saint Germain, um dos Mestres Iluminados, levou estas orações a Fonte e suplicou para que a humanidade recebesse ajuda. Através da graça divina ele recebeu permissão para devolver a todas as pessoas em todas as partes a Chama Violeta, para começar a transmutar a negatividade no planeta. Apesar da Chama Violeta já estar disponível para alguns seletos grupos antes de 1987, essa disponibilidade em massa marcou o início deste período de 25 anos de purificação. Desde então, Gaia começou a se livrar das toxinas, o karma criado pela barbaridade humana. Isso ela faz através de terremotos, erupções de vulcões, furacões, tsunamis, incêndios e outros desastres, eventos nos quais muitas almas deixam o planeta levando consigo muita energia negativa para que seja curada e transmutada no mundo espiritual As orações feitas mundialmente depois desses desastres também ajudam a purificar todos os continentes. Mas há ainda muito por vir.

A Chama Violeta fundiu com a Chama Prateada? Por que?

Os anjos observam com muita alegria muitos guerreiros de luz se dedicando a purificar suas energias e a curar os outros. O resultado foi que num outro ato de benevolência divina, a Chama Prateada da Graça e da Harmonia fundiu-se com a Chama Violeta da Transmutação. A Chama Violeta transmuta energias negativas. A Chama Prateada permite que o novo e o belo entrem no lugar do antigo, daquilo que já não serve mais.

O que é a Chama Dourada e Violeta-Prateada da quinta dimensão?

A Chama Dourada fundiu agora com a Chama Violeta e Prateada. Ela está adicionando sabedoria, amor angelical e proteção nas qualidades da harmonia e transmutação - uma combinação muito poderosa que eleva sua consciência para a quinta dimensão.

Como usar a Chama Dourada e Violeta-Prateada:

1. Aonde você estiver, você pode invocar a Chama Dourada e Violeta-Prateada. Imagine uma chama que inclui todos os tons do lilás ao prateado, passando pelo violeta, que cria brilhos dourados. Visualize esta chama.

2. Visualize esta chama envolvendo todos aqueles que precisem se livrar da negatividade.

3. Envie esta chama para aqueles que estão necessitados, doentes ou em desequilíbrio. Se você tiver qualquer problema com seu corpo físico, deixe que esta chama banhe esta parte de seu corpo.

4. Se você sente raiva, medo ou qualquer outro tipo de negatividade, imagine esta chama a sua volta. Sinta-a dissolvendo os sentimentos velhos e substituindo-os com alegria.

5. Transmita esta chama para os lugares onde há guerra ou desastres.

6. Imagine-a fluindo através da rede elétrica, dos fios telefônicos e de toda a internet, para que purifique toda a rede virtual

Eu ainda vou estar aqui depois de dezembro de 2012?

Isso depende das decisões mais elevadas tomadas por sua alma. Enquanto muitos vão escolher deixar a realidade da terceira dimensão antes ou logo após esta data, a maioria vai escolher ficar.

O que acontecerá com o sistema financeiro, eu devo guardar dinheiro agora?

Aprenda a expandir sua consciência e a manifestar abundância para você mesmo. O mundo vai continuar, mesmo depois que as mudanças acontecerem.

O texto acima é uma tradução de algumas páginas do livro Angel Answers, da autora britânica Diana Cooper, sem tradução para o português.

domingo, 1 de julho de 2012

QUEM VOCÊ É?

 

Mesmo que de mais ou menos valia, não é quem você é.
É simplesmente um pensamento.
A verdade sobre quem você é, não pode ser pensada, porque é a fonte de todos os pensamentos.
A verdade sobre quem você é não pode ser nomeada ou definida.
Palavras como luz, alma, Deus, a verdade, Eu, consciência, inteligência universal, ou divindade, enquanto capazes de evocar a alegria da verdade, são bastante inadequadas, como uma descrição da imensidade de quem você realmente é.
No entanto você se identifica: como filho, adolescente, uma mãe, um pai, uma pessoa idosa, pessoa saudável, doente, uma pessoa que sofre, ou uma pessoa iluminada - sempre, por trás de tudo isso, está a verdade sobre si mesmo.
Isto não é estranho para você.
É tão perto que você não pode acreditar que é você.
A verdade sobre quem você é, está além de qualquer conceito sobre quem você é, por mais ignorante ou esclarecido inútil ou grandioso.
A verdade sobre quem você é está livre de tudo isso.

Você já está livre
e tudo o que bloqueia a sua realização desta liberdade é a sua própria ligação com algum pensamento sobre quem você é.
Este pensamento não o impede de ser realmente quem você é.
Você já é isso.
O pensamento separa você da realização de quem você é.

Convido você a dar um mergulho em direção ao que sempre esteve aqui, abertamente esperando pela sua própria auto-realização.
Quem é você, realmente?
Você é alguma imagem que aparece em sua mente?
Você é alguma sensação que aparece em seu corpo?
Você é alguma emoção que passa por sua mente e corpo?
Você é o que alguém disse sobre você, ou você está se rebelando contra algo simplesmente porque alguém disse que você faz isso?
Estas são algumas das muitas possibilidades de erros de identificação.

Todas essas definições vêm e vão, nascem e depois morrem.
A verdade sobre quem você é não vai e vem.
Ela está presente antes do nascimento, durante toda uma vida, e após a morte.
Descobrir a verdade sobre quem você é, não só é possível como é o seu direito por nascimento.
Qualquer pensamento de que esta descoberta não é para você, de que agora não é o tempo, de que você não é digno, de que você não está pronto, de que você já sabe quem você é, são apenas truques da mente.
É tempo de investigar este "eu penso" e ver o que ele realmente tem verdade.
Nesta busca, há uma abertura para a inteligência consciente que você é para, finalmente, reconhecer a si mesmo.
A pergunta mais importante que você pode sempre pode fazer a si mesmo é:
Quem sou eu?
De uma certa maneira, esta tem sido uma questão implícita em todas as etapas de sua vida.
Cada atividade, individual ou coletiva é motivada em sua raiz por uma busca de auto-definição.
Normalmente, você busca por uma resposta positiva a esta pergunta e foge de uma resposta negativa.
Uma vez que esta questão torna-se explícita, a dinâmica e o poder desta pergunta direciona a busca para a verdadeira resposta, que é aberta, viva, e preenchida cada vez mais com a profunda introspecção.
Você tem experimentado ambos: sucesso e fracasso.
Depois de um certo tempo, cedo ou tarde você percebe que, quem você é, se esta definição tiver sido feita, ela não é satisfatória.
A não ser que esta questão tenha sido verdadeiramente respondida, não apenas convencionalmente respondida, você ainda vai estar com fome de saber.
Porque, não importa como você tenha sido definido pelos outros, bem-intencionados ou não, e não importa como você definiu a si mesmo, nenhuma definição pode trazer certeza duradoura.
O momento de reconhecer que nenhuma resposta satisfaz a esta pergunta é crucial.
É muitas vezes referido como o momento de maturação espiritual,
o momento de maturidade espiritual.
Neste ponto, você pode conscientemente investigar quem você realmente é.
Em seu poder e simplicidade, a pergunta Quem sou eu? lança a mente de volta para a raiz da identificação pessoal, para o pressuposto básico: eu sou alguém.
Em vez de automaticamente tomar essa suposição como a verdade, você pode investigar mais profundamente.
Não é difícil ver que este pensamento inicial, "Eu sou alguém", leva a todos os tipos de estratégias: a ser um melhor alguém, um alguém mais protegido, um alguém com mais prazer, mais conforto, mais realização.
Mas quando esse pensamento muito básico é questionada, a mente encontra o Eu que se presume ser separado do que tem sido procurado.
Isso é chamado de auto-investigação.
Esta questão mais básica: Quem sou eu?
é aquela que é a mais negligenciada.
Passamos a maior parte dos nossos dias dizendo a nós mesmos ou aos outros que nós somos alguém importante, alguém sem importancia, alguém grande, alguém pequeno, alguém jovem, alguém de idade, nunca verdadeiramente questionando o pressuposto mais básico: Quem é você, realmente?
Como você sabe: isto é quem você é? Esta é a verdade? Realmente?
Quando você se volta para a questão: Quem sou eu? talvez você veja uma entidade que tem a sua face e seu corpo.
Mas quem está ciente de que entidade é essa?
Você é o objeto, ou, você é a consciência do objeto?
O objeto vem e vai.
O pai, o filho, o amante, o abandonado, o iluminado, o vitorioso, o derrotado.
Essas identificações todas vêm e vão.

A consciência destas identificações está sempre presente.

A identificação errada de si mesmo como um objeto
leva ao extremo prazer ou extrema dor e a ciclos de sofrimento intermináveis.
Quando você finalmente parar com a identificação errada e descobrir definitiva e completamente que você é a própria consciência e não estas definições impermanentes, a busca de si mesmo termina.
Quando a pergunta Quem? é seguida inocentemente, com pureza, todo o caminho volta para sua fonte, há uma realização enorme, surpreendente: Não existe identidade nenhuma! Há apenas o reconhecimento, indefinível ilimitado de si mesmo como inseparável de qualquer outra coisa.
Você é livre.
Você é o todo.
Você é infinito.
Não há um fim para você, não há limites para você.
Alguma idéia sobre si mesmo aparece em você
e desaparece de volta em você.
Você é conscientização, e conscientização é consciência.
Deixe todas as auto-definições morrerem neste momento.

Deixe-as irem, e veja o que resta.
Ver o que nunca nasceu e que não morrerá.
Sinta o alívio de deixar ir o fardo de definir a si mesmo.
Experimente a não-realidade do fardo.
Experimente a alegria que está aqui.
Descanse na paz infinita de sua verdadeira natureza
antes de qualquer pensamento do Eu aparecer.


Mensagem de Gangaji
Do livro "The Diamond in Your Pocket"

Livre Arbítrio e Diálogos

 ramesh

Ramesh Balsekar

Ramesh: Primeiramente, diga-me o que você entende por “livre arbítrio”.
Pergunta: A noção de que “eu” posso escolher entre uma coisa ou outra.
Ramesh: Sim, mas isso inclui as consequências do que você escolhe? Seu livre arbítrio é escolher uma coisa ou outra. O seu livre arbítrio inclui o que decorrerá de fato daquilo que você escolher?
Pergunta: Não.
Ramesh: Que utilidade tem o seu livre arbítrio? Que livre arbítrio mais sem utilidade você tem! Então o que é o livre arbítrio? Certamente você pode escolher, mas se o que você escolher irá acontecer ou não, não está no seu controle. É por isso que quando as pessoas usam essas palavras eu geralmente as interrompo e peço-lhes para dizerem o que elas querem dizer por “livre arbítrio”.
Pergunta: A lógica que você apresentou, que faz sentido para mim, é que o desdobramento natural da criação, uma vez que é colocado em movimento desdobra-se a partir de um padrão determinado muito complexo. E então há este ego que pensa que pode escolher uma coisa ou outra.
Ramesh: Você vê, em que bases você faz suas escolhas? Como você faz suas escolhas?
Pergunta: Essa seria minha pergunta, eu ia perguntar: “Quem escolhe?”
Ramesh: “Quem” escolhe? O ego escolhe. Mas o ego escolhe baseado em que? Meu ponto é que o ego faz sua “escolha” com base na programação que ele recebeu.
Pergunta: Sobre a qual ele não tem controle.
Ramesh: O condicionamento do meio circundante sobre o qual você não teve escolha.
Pergunta: Ou o DNA, ou algo mais.
Ramesh: Isso mesmo, portanto, há o DNA ou os genes, sobre os quais você não teve escolha, mais o condicionamento recebido do seu meio sobre o qual você não teve escolha. São essas duas coisas que eu chamo de ‘a programação’ com a qual você fará a “sua” escolha. Você fará sua escolha baseado no que você foi condicionado a pensar ser certo ou errado. Portanto, se o seu livre arbítrio está baseado na programação, a qual você não teve controle, então é o livre arbítrio “de quem” que estamos falando?
Pergunta: Então mesmo o livre arbítrio é uma função do Sujeito absoluto, da Fonte?
Ramesh: Correto, ou melhor, o livre arbítrio que você valoriza tanto está baseado em algo sobre o qual você não tem controle.
Pergunta: Muito bom. Isso é muito bom mesmo!
Ramesh: Eu retorno à válida questão do ego. O ego tem uma questão válida: “Vivendo em sociedade é esperado que eu faça escolhas – eu não devo fazer escolhas?” Eu digo: “É claro que sim.” Mas tudo o que estou dizendo para você considerar é: a escolha que você faz, é realmente “sua” escolha ou essa escolha acontece?

Pergunta: Quando você fala sobre como nossas vidas são determinadas, usando os conceitos do robô ou do computador, isso soa muito limitador, não há escolha, não há liberdade. Mas minha experiência é que me sinto repleta de um sentido de liberdade.
Ramesh: Claro, esse é o ponto importante. Então, o que é esse sentido de liberdade que surge? Que tipo de liberdade é esse?
Pergunta: Eu não sou esse robô ou o computador.
Ramesh: Exatamente. Esse é o ponto. Portanto, liberdade de que? Liberdade daquilo que anteriormente identificava-se com o computador. Significa liberdade do próprio computador, liberdade da identificação com o computador. O sentimento que você tem agora Ashika, é que antes você pensava que “você” era o computador e agora sabe que você não é o computador. Esse computador está sendo usado pela Fonte, ou Deus, para trazer certas ações que necessitam acontecer através deste organismo corpo-mente. Não é isso?
Pergunta: Eu pensava que liberdade era liberdade de escolha, era fazer o que eu queria.
Ramesh: Livre arbítrio.
Pergunta: Sim. Isso tudo parece ter morrido.
Ramesh: Então não há livre arbítrio e isso não traz um senso de constrição.
Pergunta: Há uma liberdade totalmente diferente, liberdade de não estar de modo algum identificada.
Ramesh: Sim. Liberdade do envolvimento. Sua experiência foi que o envolvimento é que causa a infelicidade; se não há envolvimento não há infelicidade. Então, o que você realmente está dizendo é que a liberdade é da tristeza porque é liberdade do envolvimento. E “quem” se envolve? O ego fica envolvido. A liberdade é a liberdade do ego. E o ego é o sentido pessoal de autoria das ações. Portanto, liberdade, em última instância, é liberdade do sentido de autoria pessoal das ações – tanto deste organismo corpo-mente, como dos outros organismos. É notável que isso tenha ocorrido com você, os outros talvez não aceitem isso, mas quanto a você a liberdade se estende a todos. Ninguém tem livre arbítrio. Tudo o que acontece é que ações acontecem através dos bilhões de computadores corpo-mente. Então não há razão para Ashika sentir-se culpada, sentir orgulho ou ódio de ninguém. Isso é aceitável?
Pergunta: Sim.
Ramesh: Essa é a liberdade que está refletida na sua compreensão – liberdade da culpa, do orgulho, do ódio e da inveja – que significa o que? Liberdade do envolvimento. É o envolvimento que causa infelicidade – um pouco de felicidade e um monte de infelicidade. Portanto, aceitar o que acontece como sendo algo que você não pode se envolver e sobre o qual você não tem nenhum controle – essa é a liberdade pelo fato que o que quer que esteja acontecendo está além do controle de qualquer pessoa. Desse modo, o que quer que esteja acontecendo é simplesmente aceito como algo que deveria acontecer – e não por causa da vontade de algum indivíduo.
Pergunta: Eu estava sentindo-me confusa pois havia esse enorme sentimento de liberdade mas não era liberdade para fazer ou deixar de fazer. Era simplesmente uma liberdade para ser.
Ramesh: Você vê, liberdade do envolvimento é liberdade da limitação do ego. O ego é restrito. Então o ego que pensava anteriormente que “ele” era livre para fazer o que “ele” quisesse agora descobriu que não existe “Ashika” para fazer coisa alguma. Isso é liberdade da responsabilidade, do sentido de autoria pessoal das ações e liberdade do orgulho. Pelo ego essa liberdade é traduzida como uma perda de “seu” livre arbítrio pessoal. Então essa liberdade é em si estar livre do ego, mas o ego não pode sentir essa liberdade. O ego sente que “ele” perdeu o livre arbítrio de fazer o que ele quer fazer – que “ele” pensava que possuía. Essa foi a confusão que você sentiu, a liberdade que surgiu da perda do sentido de autoria das ações significa a perda de liberdade do ego. Isso faz sentido?
Pergunta: Sim.
Ramesh: Eu repito: liberdade do sentido de autoria pessoal significa a perda da liberdade do ego. E essa é a confusão, pois ainda há essa identificação do ego com este organismo corpo-mente chamado Ashika. O ego ainda permanece e sente-se terrivelmente restringido.

Pergunta: Eu preferia estar falando em particular com você, mas a respeito da repetição de mantras, algumas mudanças maravilhosas aconteceram. Nenhuma mudança realmente dramática.
Ramesh: O que é uma coisa boa. De outra maneira você estaria se prendendo a elas.
Pergunta: Quando criança, eu ficava sempre assustado com o frio, cada vez esperando que me acostumaria com isso. Eu ficava assustado, como se tivesse despertado do sono. A primeira vez que investiguei a repetição do “eu sou”, foi a mesma experiência alarmante. Agora uma mudança natural está acontecendo. Isso deve ser perseguido?
Ramesh: Aceite isso, sem as perguntas: “deveria ou não deveria acontecer”.
Pergunta: Há algum valor nessas chamadas praticas espirituais e nos métodos disciplinatórios?
Ramesh: A mente humana está mais do que pronta para que seja falado para ela fazer algo. Você ficaria surpreso de quantas pessoas têm a firme crença que não apenas essas várias práticas espirituais conduzem à iluminação, como que a própria prática desses métodos é a iluminação. É total idolatria e superstição.
Pergunta: Mas tratar todas as práticas espirituais como idolatria e superstição é manter a mete fechada, não é?
Ramesh: De qualquer forma mantenha a mente aberta. Se você se encontra numa posição onde você está fazendo alguma prática, tente fazê-la e veja. No meu caso, antes de eu ir no Nisargadatta Maharaj, eu tive um guru por vinte anos. Ele era um guru tradicional que dava iniciações tradicionais. Naquela época, minha necessidade de um guru era tão intensa que quando eu fui até ele, numa pequena cerimônia de iniciação, durante esse processo eu fui tão arrebatado que eu não conseguia para de chorar. Uma emoção construída, uma necessidade de um guru que havia sido construída estava expressando-se daquela maneira. Muito cedo eu percebi que o que ele estava me ensinando, com toda sinceridade, não era o que eu realmente queria. Se alguém fosse ao Maharaj e dissesse: “minha esposa está doente” ou “meu filho está desempregado”, Maharaj iria dizer: “sinto muito, eu não posso ajudá-lo”. Enquanto que meu primeiro guru iria considerar parte de sua função não apenas se encarregar de sua vida espiritual, mas também iria ajudar a pessoa, da maneira mais genuína e sincera, nas necessidades materiais. O ensinamento de Maharaj era totalmente impessoal, universal. Mas esse primeiro guru era primeiramente um Hindu e também um não-dualista, um Advaita. Ele diria: “Faça este puja, faça tal prática disciplinar, vá visitar tal templo”. Ele não era uma fraude. Ele era genuíno. Mas a crença dele culminava com a firme convicção de que o que o guru dele havia dito para ele era o definitivo, que o guru pessoal dele, que havia morrido há muitos anos, ainda guiava as ações dele. Bem depressa ficou claro para mim que não era isso que eu tinha estado à procura desde os doze anos de idade. Mas não é a natureza deste organismo romper com alguém violentamente, então o relacionamento continuou por vinte anos. Um fato curioso sobre esse relacionamento é que ele foi previsto astrologicamente em 1950. Não por um astrólogo que lê o horóscopo, mas através de uma previsão do Sul da Índia chamada nadi. Havia um tipo pele ou de folha tão elástica que era impossível de ser quebrada. Nela estava entalhado em letras pequenas a predição de que eu iria primeiramente ter um guru por vinte anos e que não iria acontecer muito ali, mas que depois que eu me aposentasse eu encontraria meu verdadeiro guru e então o progresso seria bem rápido. Depois que me aposentei, li um artigo sobre Nisargadatta Maharaj escrito por Jean Dunn no the Mountain Path. Quando subi as escadas para o sobrado de Maharaj pela primeira vez, as primeiras palavras de Nisargadatta foram: “Até que enfim você veio, não foi? Venha e sente-se.” Portanto, se alguém tem o dom da cura, por que não? O dom da astrologia, da psicoterapia, por que não? Eu não perdi vinte anos antes de encontrar Maharaj. Tudo é uma preparação para a próxima cena. Então, se alguma força misteriosa dirige você para alguma prática, eu aconselho você a não se afastar dela ou a não abandoná-la. Aceite-a, tente-a. Se posteriormente essas práticas espirituais ficarem pelo caminho, deixe-as. E se acontecer, minha única sugestão é, não sinta-se culpado por isso. É um acontecimento sobre o qual você não tem controle. Chang-Tzu disse: “o mestre veio quando era a hora dele vir, o mestre se foi no fluxo ordinário dos eventos.” Quando há mesmo que um lampejo dessa compreensão, mesmo que no nível intelectual, você começa a ter uma sensação de liberdade, ou, mais precisamente, o sentido de liberdade substitui o sentido de frustração. O sentido de frustração é a volição que o ‘eu’ é muito relutante em abandonar. Quando há realmente uma convicção de que eu sou apenas um instrumento, como os bilhões de seres humanos através dos quais Deus ou a Totalidade opera, como pode não haver um tremendo sentimento de liberdade?

Pergunta: No momento em que percebo que estive perdido em pensamentos sobre o futuro, há algo particular a ser feito?
Ramesh: Nada. Absolutamente nada.
Pergunta: O próximo momento irá cuidar de si mesmo? Eu posso esquecer isso e pensar sobre o futuro novamente?
Ramesh: Correto. O que estou dizendo é que a ação de escutar ocorreu com uma certa quantidade de receptividade. De outra maneira nem mesmo essa pergunta iria surgir. Então esse escutar receptivo irá transformar-se em compreensão e essa compreensão vai ser a testemunha, a qual é necessária para evitar o envolvimento. É o ‘eu’, a mente pensante, que em vez de compreender faz a pergunta: “Então o que devo fazer agora?” A resposta é: “Nada”. Isso significa, efetivamente, ignorar a mente pensante. A única maneira pela qual essa mente pensante sucumbe é quando ela é ignorada. Não há outra maneira dela acabar.
Pergunta: No Vipassana, um método de retornar ao presente é focar em alguma sensação do corpo. Isso me parece similar com o que você tem dito.
Ramesh: Não, esse tipo de “fazer” geralmente é ainda a mente observando a mente, é um processo mental. A auto-investigação (Investigação de Si) não significa que toda vez que um pensamento ocorrer deveríamos metodicamente começar a pensar: “Para quem esse pensamento ocorreu? Eu não sou o corpo” e assim por diante. Tudo isso está no tempo e na duração, não está? Qualquer coisa que aconteça no tempo e na duração é envolvimento. Portanto, em vez de ficar envolvido num processo mental, é mais simples e mais efetivo permanecer numa posição de aceitação contentada. Um pensamento surgiu, ele é testemunhado e é cortado. O testemunho não precisa de nenhum processo mental.
Pergunta: Qual é o melhor meio de compreender que não somos o fazedor?
Ramesh: A melhor maneira de entender que você não é o fazedor é perceber que você não é um corpo sólido. Você é meramente um vazio no qual a energia vibra de acordo com um padrão individual particular. Desse modo, você não é um ser individual, quem dirá um fazedor individual. Você não é nem mesmo uma entidade individual. Você não é nada. É um mero padrão de energia em vibração. Compreender isso verdadeiramente, com convicção, ajudará tremendamente.
Pergunta: Mas podemos compreender isso um em momento e então, durante o resto do dia, descobrir que estamos novamente assumindo a autoria.
Ramesh: Ó sim! Mas isso tem de vir. Deixe vir.
Pergunta: Mas a compreensão torna-se compartimentada.
Ramesh: Pelo contrário, ela não permanece num compartimento. Ela desce bem para a raiz da existência, para a base da existência. Você não precisa repetir de novo e de novo: “Eu sou, eu estou vivo.” Não há necessidade de dizer: “Eu sou um homem.” O conhecimento está lá. Se esses pensamentos ocorrerem, será um anuviamento temporário da consciência. Por quanto tempo esse anuviamento acontecerá não está em suas mãos. Não há nenhuma técnica que o “eu” possa empregar para fazer esses pensamentos irem embora.
Pergunta: Então um momento de pura compreensão de que não somos o fazedor é mais importante do que as compreensões menores?
Ramesh: Absolutamente. O tempo de duração dela está fora de questão aqui.
Pergunta: Muitas vezes no “I am That”, Maharaj advertia as pessoas a se manterem com o sentimento de Eu Sou.
Ramesh: A resposta era dada para as pessoas que precisavam fazer algo. Para esse homem de ação, o Karma Iogue, dizer-lhe apenas para compreender seria extremamente difícil. Foi difícil para mim entender a quem Maharaj estava se dirigindo quando dizia: “Permaneça no Eu Sou”. Obviamente ele estava endereçando isso a alguém. Foi uma questão difícil que perturbou- me por seis meses. Essa é sua questão também.
Pergunta: Sim, mas espero que não dure seis meses.
Ramesh: Você pode sentir-se grato se ela não durar seis anos! Mas é uma questão básica. A questão me incomodava desde manhã cedo e durante o dia todo. Finalmente, ocorreu essa compreensão repentina de que aquelas sugestões: “Apenas seja” ou “permaneça no Eu Sou” não eram endereçadas a um “eu” (mim). Se euaceitasse a verdade básica de que o “eu” é meramente uma aparência na Consciência, não haveria nada mais para ser feito. Essa aceitação não vem rapidamente em todos os casos. Até que ela viesse, durante o processo dessa aceitação se tonar firme, Maharaj estava endereçando-se àquele “eu” que precisava de uma certa quantidade de orientação. Ele não estava dando sugestões para alguém que não precisava delas. Os fatos básicos ele já havia deixado claro: que não há tal objeto como ser humano com independência como uma entidade separada, com independência de escolha e decisão, com volição. Uma mera aparência não pode ter nenhuma volição. No caso do próprio Maharaj, ele tinha uma inclinação natural e por intuição para o caminho da devoção, ou seja, bhakti. Ele costumava ir a um templo toda a noite e cantar bajans. Ele disse: “eu tinha uma voz muito boa, então deleitava-me ao cantar e isso me deixava muito feliz, eu não estava interessado em nenhum conhecimento e nem em repetir o nome de Deus. Era o que eu gostava de fazer e eu fazia.” Certo dia, um amigo dele que costumava ir a um certo guru insistiu que Maharaj o acompanhasse. Então Maharaj foi. A maneira tradicional era levar uma guirlanda de flores. “Até a guirlanda de flores simbólica foi comprada por meu amigo”, Maharaj disse. A mensagem básica essencial do guru era que não existe algo como uma entidade individual, ela era apenas uma aparência na Consciência. Maharaj disse: “talvez, aceitei isso porque eu era uma pessoa iletrada. O intelecto não era desenvolvido à uma certa agudeza onde ele quisesse saber os porquês e os motivos de tudo. Por alguma razão eu pude aceitar e esse foi o fim da questão.” Maharaj continuou a ir aos bajans e ao mesmo tempo essa compreensão se enraizou em seu coração. Gradualmente suas idas ao templo acabaram, mas sem que ele fizesse um esforço para isso.
Uma coisa que posso lhe falar é que não há coisa alguma que “você” possa fazer a respeito da Realização, porque o “você” tem que desaparecer e o “você” não fará “você” desaparecer.

De: Portal do Conhecimento Divino

http://editoraadvaita.blogspot.com/2011/07/ramesh-balsekar-sobre-livre-arbitrio.html